Pretende mudar para Lisboa? Leia esse artigo primeiro.

April 3, 2016

 

Em primeiro lugar, comece pela parte burocrática: documentação que lhe permita trabalhar, ter acesso a saúde e educação.

Depois desse pequeno detalhe resolvido, você precisa identificar os seguintes pontos:

  • Quando

  • Onde

  • Quanto

Quando mudar?
 

Depende da sua realidade. Tem filhos em idade escolar? A partir dos 5 anos de idade, completos no ano que se inicia o ano letivo, a escolaridade é obrigatória.  As escolas estão divididas em 3 “etapas”: EB I, EB II e Secundário. Considere que o ano letivo no hemisfério norte começa depois das férias de verão, ou seja, em Setembro. Mas pra inscrever o seu filho numa escola pública deve fazê-lo entre março e abril do respectivo ano de calendário, conforme regra da escola.

 

Exemplo: Ano letivo 2015/2016 (de Setembro 2015 a Julho 2016), inscrever a criança entre Março e Maio 2015

 

Se escola pros pequenos não é a sua preocupação e pretende (e tem permissão para) entrar no mercado de trabalho: evite a mudança entre novembro e Janeiro e entre Julho e início de

Setembro. As empresas estão em fechamento de orçamento do semestre/ano e estão no período das férias. Todo mundo só quer saber de verão e no final do ano só interessa a consoada.

 

Se entretanto quiser arrumar um trabalho rápido, pode sempre aproveitar a época natalícia para um emprego temporário no varejo. As lojas sempre recrutam as pessoas pra dar conta do volume de vendas.
 

Lembrando que o inverno luso é super ameno em comparação ao restante da Europa e enche de estrangeiros, principalmente de espanhóis sempre vão para Portugal depois de 26/12 para comprar os presentes de Natal, que lá são trocados no dia de Reis.

Onde morar?

 

Se não faz ideia, primeiro tem que definir qual é a sua prioridade. Muita segurança? Perto de transporte? Quais? Próximo a praia? Parque? Escola? Mercado? Vida noturna?

Nota: apesar de todo português dizer que tem violência o tempo todo, é mentira. Violência pra eles é batedor de carteira, furto de rádio do carro, furto da cadeirinha de bebê do carro, invasão de domicílio (quando acontece é no verão em algumas áreas, quando os donos saem de férias).

 

E mesmo assim acontece em lugares específicos. Lisboa no geral é muito segura, acho que uma das cidades mais seguras que eu já vi na vida. E vivi, felizmente.

 

Depois de ter definido isso, olhe para o mapa da cidade de Lisboa. Vá mesmo no Google Maps e procure a cidade, faça o street view (super bem mapeado, diga-se de passagem).

 

Aconselho a procurar nas zonas adjacentes de Lisboa, e não deixar de ver a linha de Cascais, a linha de Azambuja, a linha de Sintra (alguns pontos porque essa zona não é muito bem-quista) e o “outro lado da poça”, que já não é mais Lisboa. Passa a ser distrito de Setúbal, e a zona de Almada é muito bacana, além de ser mesmo pertinho de Lisboa, tem acessos de barca, trem, ônibus (via ponte 25 de Abril) e o aluguel é bem mais barato que em Lisboa.

 

Pra entender:
1. Linha de Cascais: passa quase por toda Avenida Marginal, abrange bairros como Estoril, Oeiras, Caxias, Paço d’Arcos, Algés, Alcântara (Mar);
2. Linha de Azambuja: usamos pra circular dentro de Lisboa, sai de Azambuja que fica a norte de Lisboa e quando chega em Braço de Prata se divide em duas, sendo as últimas paragens em Santa Apolónia ou em Alcântara-Terra;

 

3. Linha de Sintra: é um pouco delicado apontar o dedo pra essa área. Existem bairros mais complicados que os outros, e os comboios em determinadas horas da noite não são muito… agradáveis.
 

4. Comboios para Margem Sul: sai de Sete Rios e atravessa o Tejo pela ponte 25 de Abril e, apesar de eu nunca ter andado neste comboio, acredito que a vista seja linda. É operado pela Fertagus, ao contrário das outras linhas que citei acima, que são pela CP.

No Jornal de Negócios tem uma matéria falando sobre a valorização da habitação em Lisboa. E aqui pode conferir o valor dos passes da CP (comboios de Portugal) pra entender que quando o preço da casa é muito em conta geralmente é porque não tem transporte à porta ou então tem que se pagar um valor mais salgado pelo passe mensal.

Particularmente, eu adoro a vista da Linha de Cascais. Já trabalhei em São Domingos de Rana, levava duas horas de transportes pra chegar no trabalho (nem é tão longe, é só muito contra mão sem carro) e não tinha mau humor vendo o sol nascer ali no Tejo, só pra mim. Ok, não é só pra mim, mas dá pra entender a sensação.

 

Os lugares mais tops pra se morar em Lisboa são: Parque das Nações, São Sebastião, Avenida (da Liberdade), Restelo, Lapa, Estrela.

Quando se fala em Avenidas Novas, entende-se pelo centro de Lisboa onde estão os negócios: Av. 5 de Outubro, Av. da República, Av. de Berna, etc. Basicamente são os bairros de São Sebastião da Pedreira, Nossa Senhora de Fátima e um pedacinho de Campolide.

Lisboa também é conhecida como a cidade das 7 colinas, então é bom alertar que há muitos altos e baixos na cidade. Tem lugares planos, como o Parque das Nações, mas pros bairros mais caricatos (Campo de Ourique, Estrela, Lapa, Sé, Alfama, Bica, Chiado) pode ter a certeza que tem ladeira pela frente. É uma questão de hábito.

 

Quanto preciso ter de reserva pra começar a vida aí?

 

Depende muito e é complicado dar palpite nisso. Tem que ser você a fazer contas. Mas eu te ajudo!

 

Primeiro tens que considerar o custo da moradia. Casa própria? Dividir com amigos? Alugar um quarto? Alugar um apartamento/casa?
 

E depois as condições da casa que vão influenciar diretamente nas faturas de água/luz/gás

  • Quantas pessoas morando junto? Tem aquecimento elétrico? A gás? A água? Lareira?

  • Como é o sistema de aquecimento da água?

  • Tem gás em casa ou é tudo elétrico?

  • O chão é de piso frio ou madeira/flutuante ou carpete?

  • Os vidros da janela são duplos ou simples?

  • Tem estores para bloquear a luz solar/frio?

  • Bate sol a que horas? Bate algum sol? (Muitos apartamento são rés de chão ou sub-cave, por vezes entra pouquíssima luz natural)

  • As paredes estão revestidas com azulejo ou são de alvenaria? Ou de pladur (= dry wall)?

  • Qual o estado de conservação da construção? Tem umidade na casa? Infiltração?

  • O encanamento está 100% ou tem vazamentos?

Pareço exagerada, mas estas perguntas fazem toda a diferença. Se tem vazamento de água, você terá uma conta de água mais alta. Se a casa não tem luz natural tende a ser mais fria e além de ter que ficar mais horas com as luzes acesas vai ter que usar o aquecimento por mais tempo. Se as paredes têm azulejo ou se o piso é frio as chances de precisar de um aquecimento mais potente são bem fortes. E por aí vai.

 

Posso dar o meu exemplo de despesas. Um apartamento de 2 quartos, no Parque das Nações, em construção nova, com garagem. Piso flutuante, vidro duplo, muita luz natural, sol da manhã durante o inverno. Sistema de aquecimento a água (Climaespaço) que eu achava caríssimo, sem gás dentro de casa. Dois adultos e duas crianças, uma de 3 anos e um bebê.
Estes valores refletem minhas últimas contas em Lisboa:

  • Aluguel: 850€

  • Luz (a cada 2 meses): de 100€ a 120€

  • Água: 25€ a 35€

  • Climaespaço (a cada 2 meses): 150€

  • Tv+Voz fixa + Internet + 2 Mobiles (com 1Gb GPRS): 85€ (vodafone red+, mas existem planos mais baratos. Só o 3play da Vodafone são 26,90€)

Total (média): 1200€ mensais. Se considerar que eu tinha o plano mais caro de telecomunicações e que o meu aluguel corresponde ao de um apartamento numa das zonas mais caras de Lisboa, nem está assim tão mal.

 

As compras de mercado é que são o maior peso num orçamento familiar. Tendo filhos certamente é mais alto que não tendo (fraldas, toalhitas/lenços umedecidos, alimentação adequada, snacks). O preço da “cesta básica” está bem mais alto em 2015 do que era em 2008, apesar do Governo dizer que houve deflação. Só vejo o preço das coisas aumentando. E logicamente, os salários estagnados e a base em relação ao resto da Europa sendo muito inferior, não ajudam ao orçamento terminar no positivo.

 

Estas informações são basicamente o que tenho enviado por e-mail às pessoas que entram em

contato comigo pedindo alguma orientação ou opinião.

 

Sugiro sempre olhar empregos e casas no portal Sapo para enriquecer a sua pesquisa.
E caso queira tirar alguma dúvida sobre lugares, opinião sobre um imóvel anunciado, ou qualquer outra coisa que só quem viveu em Lisboa poderia responder, pode me enviar um e-mail. Terei todo o gosto em lhe ajudar!

 

 

Please reload

Featured Posts

Como viver em Portugal depois de aposentar.

March 29, 2016

1/1
Please reload

Recent Posts

May 14, 2018

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square